Trocar a manteiga por óleo vegetal não é uma boa opção

Esta semana, mais um jornal científico, o British Medical Journal, publicou um estudo no qual os dados de um outro antigo estudo foram reavaliados.

De 1968 a 73 foi realizado um estudo científico conhecido como o Minnesota Coronary Experiment (MCE). Este estudo foi um ensaio clinico duplo cego randomizado controlado, que avaliou se a substituição de gordura saturada por óleo vegetal, através da redução do colesterol, diminuiria a doença nas coronárias (por exemplo, infarto) e/ou diminuiria o risco de morte.

Ou seja, os pesquisadores criaram 2 grupos separados, um deles trocou a gordura animal por vegetal (óleo de milho e margarina a base de milho) e o outro seguiu com o consumo habitual de gordura animal.

O estudo avaliou a associação entre os níveis sangüíneos de colesterol e morte; aterosclerose e infarto, avaliada por autópsia e morte por qualquer causa.
Na época os pesquisadores publicaram o seguinte dado:  o grupo que consumiu óleo vegetal, apresentou uma redução no níveis sangüíneos de colesterol.

manteiga
óleo vegetal

 

Ok. Mas não vamos tirar conclusões precipitadas. O quê o estudo publicado agora em Abril/16 observou, foi que o estudo MCE não publicou TODOS os dados.
Então o que os pesquisadores fizeram foi, reavaliar os antigos dados e buscar mais associações ou explicações para o experimento. E aí que muda tudo.


Apesar de ter sido observado a associação entre consumo de óleo vegetal e redução de colesterol, este fato NÃO resultou em nenhum benefício em relação aos risco de infartar ou mesmo de morrer por qualquer causa.

Ou seja, mesmo aqueles que tiveram seu colesterol reduzidos, não tiveram menos infarto e nem diminuiriam o risco de morrer mais precocemente, independente da causa de morte.
Aliás, foi observado que a cada 30mg/dl de redução do colesterol, aumentava o risco de morte em 22%. Só que esses dados ficaram sem ter sido analisados.

Você percebe que a conclusão que temos do estudo muda completamente de perspectiva?

Então até agora o que podemos concluir: que no estudo MCE foi observado que o costumo de óleo vegetal, reduziu o colesterol no sangue, porém isto não resultou em menos infarto ou morte.


Na época do estudo, o conceito que de a redução do colesterol era essencial para reduzir o risco de infarto, ganhava cada vez mais força. Porém hoje, podemos ver cada vez mais claramente que a doença cardiovascular está muito mais apoiada nos pilares da inflamação, do que no valor do colesterol do sangue.

E os óleos vegetais são quimicamente moléculas muito mais instáveis, que mais facilmente sofrem oxidação e transformação quando comparadas a gordura animal.

Isto tudo serve para repensarmos sobre nossos conceitos e recomendações em relação ao colesterol do sangue, a gordura da dieta e sobre a associação com doença cardiovascular.


Fonte:

Re-evaluation of the traditional diet-heart hypothesis: analysis of recovered data from Minnesota Coronary Experiment (1968-73) BMJ 2016; 353 doi: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.i1246 (Published 12 April 2016)