Não é a gordura da dieta que causa a gordura no fígado

Não é a gordura da dieta que causa a gordura no fígado

É normal ter um pouco de gordura no fígado. No entanto, se a quantidade de gordura for maior que 5-10% do peso do fígado, é provável a presença da doença chamada "Fígado Gorduroso", ou Doença Hepática Gordurosa Não Alcoólica, ou Esteatose Hepática Não Alcoólica.

Até 1980, se acreditava que o acúmulo de gordura no fígado, era exclusivamente causado pelo consumo excessivo de álcool. A relação era tão direta que mesmo os pacientes negando o consumo de álcool, ainda assim, o álcool era considerado o causador desta enfermidade. Na década de 80, Ludwig e colaboradores, identificaram esta mesma doença hepática, porém em pacientes com perfis bem diferentes. Eram mulheres, obesas e com Diabetes e que negavam o consumo de álcool. Mais tarde ainda, no final da década de 90, que também se observou que boa parte desses pacientes também não eram obesos, nem tinham diabetes, e nem tinham história de infeção viral, como hepatite B e C (causadores de alterações hepáticas similares).

"Coincidindo" com o aumento da obesidade e da disponibilidade do ultrassom (que auxilia no diagnóstico), se observou um aumento na incidência de casos de Fígado Gorduroso.  Também se observou uma estreita correlação entre resistência à insulina, e fígado gorduroso.

Atualmente a Esteatose Hepática Não Alcoólica, é a principal causa de doença hepática nos EUA e possivelmente no Brasil também.

A origem deste acúmulo hepático de gordura, vem de um mecanismo natural de estoque de energia. O fígado tem 2 grandes estoques de energia: um chamado de glicogênio, que seria uma glicose modificada para armazenagem e o outro, a gordura, na forma de triglicérides.

Quando estamos em jejum, o organismo se comunica através dos hormônios que enviam mensagem ao fígado para uso do primeiro estoque de energia, neste caso sempre é o glicogênio. Utilizado este estoque inicial, aí sim, o organismo passa a utilizar o segundo grande estoque, o de gordura.

A dieta rica em carboidratos, estimula preencher os estoques de gordura no fígado, estoque este, que muitas vezes já está cheio. Com isto o fígado aumenta de tamanho e se torna ainda mais gorduroso.

A esteatose hepática representa um estado metabólico de inflamação, que em graus mais avançados pode levar a formação de fibrose (cicatriz) e por fim cirrose.

Aliás, a esteatose hepática é justamente o que acontece com os gansos, patos e marrecos, nos quais seus fígados viram a iguaria francesa chamada de Foie Gras (patê de fígado). Esses patos são alimentos forçadamente com uma dieta rica em carboidratos, especialmente grãos. Isto faz com que seus fígados fiquem repletos de gordura, aumentem de tamanho e se tornem apreciados na culinária francesa, inclusive é considerado patrimônio cultural e gastronômico da França!

Produzindo o Foie Gras

Produzindo o Foie Gras

Servindo o Foie Gras

Servindo o Foie Gras

Bom, os patos coitados, pagam o pato. Já nós buscamos reverter esta condição já que sua evolução pode levar a morte.  

 

No tratamento do Fígado Gorduroso, a principal e mais efetiva medida é a redução de peso (que muitas vezes é suficiente para reversão desta enfermidade).


Existem diversos estudos que avaliam vários tipos de dieta e a melhora do fígado gorduroso.

O que está bem claro é que quando se reduz de peso, melhor os parâmetros de inflamação a nível hepático. Muitas vezes, não é necessário nem reduzir de peso para se observar melhora nesses exames.

No entanto quando analisamos esses estudos com mais precisão, muitos apresentam erros de delineamento, indução no resultados, desde o modo como são realizados até na omissão de informações essenciais para uma ótima avaliação e por aí vai.  

Todas as dietas em algum grau melhoram a esteatose hepática, pois a grande maioria das dietas restringe pelo menos o açúcar refinado.

Porém quando se avalia estudos com a dieta de baixo carboidrato, não se observa nenhum efeito adverso, aliás, muito pelo contrário, se observa um enorme benefício na melhora da esteatose hepática.
E não parece intuitivo que se é o carboidrato da dieta que se transforma em estoque de gordura no fígado, porque não reduzi-lo?

Já sabemos que a dieta de baixo carboidrato e alta gordura é eficiente para redução de peso. E reduzir de peso não é a medida mais eficaz para reversão do Fígado Gorduroso?


Além disso, o que é mesmo a dieta de baixo carboidrato/alta gordura e paleolítica? Ah, é comer comida de verdade, fresca, não processada, rica em gorduras naturais e pobre em açúcares. Aquela comida que nossos antepassados comiam, justamente antes das epidemias de Obesidade e Diabetes.


Referências Bibliográficas:

Li, Z. et al., 2010. Protein-enriched meal replacements do not adversely affect liver, kidney or bone density: an outpatient randomized controlled trial.Nutrition Journal, 9, p.72. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3023677/

Boden, G., 2009. High or Low Carbohydrate Diets: Which is better for weight loss, insulin resistance and fatty livers? Gastroenterology, 136(5), pp.1490–1492. www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2677123/

Benjaminov, O. et al., 2007. The effect of a low-carbohydrate diet on the nonalcoholic fatty liver in morbidly obese patients before bariatric surgery.Surgical endoscopy, 21(8), pp.1423–1427. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/17332961

Ryan, M.C. et al., 2013. The Mediterranean diet improves hepatic steatosis and insulin sensitivity in individuals with non-alcoholic fatty liver disease.Journal of hepatology, 59(1), pp.138–143. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/

Fraser A1, Abel R, Lawlor DA, Fraser D, Elhayany A. A modified Mediterranean diet is associated with the greatest reduction in alanine aminotransferase levels in obese type 2 diabetes patients: results of a quasi-randomised controlled trial. Diabetologia. 2008 Sep;51(9):1616-22. doi: 10.1007/s00125-008-1049-1. Epub 2008 Jul 3. http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/18597068

David J Unwin, Daniel J Cuthbertson, Richard Feinman, Victoria S Sprung. A pilot study to explore the role of a low-carbohydrate  intervention to improve GGT levels and HbA1c. Diabesity in Practice. 2015, Vol 4, No 3, pages 102–108. http://www.diabetesonthenet.com/journal-content/view/a-pilot-study-to-explore-the-role-of-a-low-carbohydrate-intervention-to-improve-ggt-levels-and-hba1c

Hollingsworth, K.G. et al., 2006. Low-carbohydrate diet induced reduction of hepatic lipid content observed with a rapid non-invasive MRI technique.British Journal of Radiology, 79(945), pp.712–715. Available at:http://bjr.birjournals.org/content/79/945/712.

Yngve Falck-Ytter e Mc Cullough, A.J. Sem Liver Disease 21(1):17-26, 2001

Angulo, P.A. e Lindor, K.D. Sem Liver Disease 21(1):81-88, 2001