Obesidade tem pouca correlação com hábitos sedentários

Conforme publicação recente do renomado cardiologista britânico Dr. Aseem Malhotra, há um crescente volume de evidência científica que mostra que exercício isoladamente não tem quase nenhum efeito no emagrecimento. 

Estou de novo escrevendo isto, pois pra nós médicos essa informação também nos desconcerta. Faz tempo que essa recomendação de: faça exercício que irá emagrecer está enraizada. E desconstruir esse dogma não será simples. 

Mas as evidências científicas apontam para outra direção. 

Segundo publicação do British Journal of Sports Medicine  você não consegue compensar uma dieta ruim através do exercício. 

E nunca a indústria fitness esteve tão robusta. As academias de ginástica nos Estados Unidos duplicaram seus faturamentos em 15 anos. Os aplicativos de saúde e exercícios são uns dos mais baixados na loja da google no último ano. 

Mas ainda assim os números da obesidade não param de crescer em todo o mundo. Uma em cada 3  pessoas no mundo está com sobrepeso ou obesa. Nos Estados Unidos, são 2 a cada 3 pessoas acima do peso. E em nenhum país houve redução nas taxas de obesidade desde a década de 80. 

E como isso pode ser explicado? Quando você se exercita você aumenta seu apetite e com isso você tende a se alimentar mais. As pessoas acabam superestimando a quantidade desse gasto de energia e extrapolam no consumo dos alimentos. Ainda, se prendem a outro conceito que são as calorias, e acabam por interpretar os alimentos da forma menos apropriada e assim consideram todos as calorias iguais. O que na prática sabemos que não funciona assim. E o vilão do momento é o açúcar, que por seus efeitos metabólicos está intimamente ligado à obesidade.

Há muitos conceitos divergentes e errôneos em dieta e exercício físico. Esses dogmas são antigos e já foram muito bem difundidos na indústria de alimentos e até mesmo dentro dos centros de saúde.  E isto está determinando esse crescente número na obesidade assim como essa lentidão na melhora dessas taxas. 

Aqui, deixo o link e a referência dessa perspicaz e esclarecedora observação do Dr. Malhotra.

Um grande abraço